Incêndios preocupam moradores do Villa Verde e atingem rede de energia

Incêndios preocupam moradores do Villa Verde e atingem rede de energia

Em 2020, de acordo com dados do Governo do Estado de São Paulo, foram registrados 269 focos de incêndio em mais de 21 mil hectares de mata em todo o Estado. . Entre as causas identificadas, por exemplo, estão a queima de lixo, vandalismo e a soltura de balões, ação, inclusive tipificada como crime ambiental.

Além dos incêndios em áreas florestas, principalmente entre junho e outubro, meses de estiagem, em Bragança Paulista há muita preocupação com relação aos incêndios em terrenos e também às margens das rodovias.

Colocar fogo em terrenos para fazer limpeza do mesmo é crime. Mesmo assim, algumas pessoas ainda parecem não se importar com o fato.

Moradores do loteamento, Villa Verde procuraram a reportagem do Em Pauta para reclamar dos diversos incêndios registrados nos últimos dias no bairro. Alguns deles, na Rua Bicho Preguiça.  Segundo as denúncias, donos de lotes usaram  fogo para fazer a limpeza do terreno.

ALÉM DOS DANOS AMBIENTAIS

Além dos danos ambientais causados pelas queimadas, a exposição à fumaça e seus poluentes pode causar dificuldade para respirar, dor e ardência na garganta, rouquidão, dor de cabeça, lacrimejamento e vermelhidão nos olhos.

Em longo prazo, ela pode prejudicar os pulmões, os vasos sanguíneos e o sistema imunológico.

Na fumaça e fuligem geradas pelas queimadas e incêndios, além de poluentes como óxidos de nitrogênio, monóxido e dióxido de carbono, há minúsculos materiais particulados que podem ficar no ar durante dias e serem carregados para distâncias de milhares de quilômetros por fortes ventos. Essas partículas muitas vezes não medem mais do que 2,5 micrômetros (cerca de 30 vezes menor do que um fio de cabelo humano) e, quando inaladas, aumentam a inflamação e o estresse oxidativo, chegando a provocar danos genéticos nas células do pulmão.

DANOS NA REDE DE ENERGIA

Além dos dados ambientais e riscos à saúde pública, incêndios podem causar danos na rede de energia elétrica e foi isto que aconteceu na quarta-feira, 14.

De acordo com a Energisa Sul-Sudeste um foco de incêndio foi registrado às margens da Rodovia Plínio Salgado, no Km 3, na quarta-feira, 14, atingiu uma linha de transmissão de 138 mil volts, que abastece a subestação que atende parte de Bragança Paulista e os municípios de Vargem, Extrema, Munhoz e Toledo, na região Sul de Minas Gerais.

Diante disso,  moradores dessas localidades ficaram sem energia elétrica.

O fornecimento foi restabelecido rápido, após manobras no sistema elétrico. Porém, a Energisa Sul-Sudeste alerta que ocorrências de incêndios como essa, principalmente no período de estiagem prolongada, podem ocasionar sérios prejuízos à  comunidade, à natureza e à rede de energia elétrica.

Incêndios próximos às redes de baixa, média e alta tensão, podem danificar a estrutura da rede, comprometendo cabos condutores, postes e demais equipamentos do sistema elétrico, deixando milhares de consumidores sem energia, e prejudicando até o funcionamento de serviços essenciais.

Colocar foto perto de linhas de transmissão constitui crime federal previsto no Decreto 2.661, de julho de 1998. O decreto proíbe atear fogo numa faixa de 15 metros dos limites de segurança das linhas de transmissão de energia e de 100 metros ao redor das subestações.

MAIS NOTÍCIAS POLICIAIS

A melhor arma contra a desinformação é o jornalismo independente, sério e profissional. Informe-se diariamente, pelo Jornal Em Pauta.

Outras notícias polícias você encontra na aba Polícia, no menu principal do site, bem como, na página Polícia em Pauta no Facebook.

Para receber as principais notícias do dia de Bragança Paulista e da região participe dos grupos de WhatsApp do Em Pauta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *