Gripe H1N1: apenas casos graves são notificados

No domingo, dia 25, a reportagem do Bragança em Pauta, divulgou uma matéria afirmando, que existem 37 casos suspeitos de H1N1, mas nenhum confirmado no município. ( Leia matéria no link http://bragancaempauta.com.br/braganca-tem-37-casos-suspeitos-de-h1n1/).

Uma de nossas leitoras, Carol Martins questionou a informação em nossa página no facebook, fazendo o seguinte comentário.

“Como nenhum confirmado se os médicos confirmaram H1N1 em mim a mais ou menos 2 semanas!  Detalhe, transmiti pra minha irmã e tbm confirmaram o caso dela!. Fizeram alguns exames e diagnosticaram, inclusive pediram para comprar Tamiflu, o que não encontramos a venda… Que piada!! Nunca me senti tão mal e ainda suspeitam de casos.”.

Diante da informação, a reportagem entrou em contato com a Prefeitura de Bragança Paulista que informou em nota que durante o atendimento, o médico faz o diagnóstico da doença, com o objetivo de intervenção individual,.

“É impossível que ele afirme qual agente causou a doença, ou seja, isso quer dizer que ele fará o diagnóstico através dos sinais clínicos e tratará conforme tal, mas a confirmação de qual agente a causou será somente após o resultado dos exames do Instituto Adolfo Lutz”.

Ainda segundo a nota da Prefeitura, todas as instituições de saúde são obrigadas à comunicar à Secretaria Municipal de Saúde sobre os casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). Ou seja, seguindo padrões do Ministério da Saúde, só os casos graves da doença são notificados e investigados.

 “A SRAG é de notificação como muitas outras doenças e não temos problemas com fluxo”, diz a nota.

Questionados sobre o prazo para liberação dos resultados dos 37 casos suspeitos, a Prefeitura informou que  os resultado dependem do Instituto Adolfo Lutz e não tem data de liberação.

“Eles atendem a toda região, e seus resultados não interferem na conduta médica individual, mas sim no monitoramento epidemiológico, ou seja, sob uma visão da população geral e não individual, para que possamos optar em estratégias de controle.”

A Prefeitura garante ainda que as estratégias gerais de controle, já são realizadas pelo município quando há um aumento nas notificações, ou seja, nos casos em investigação, e que após a liberação dos exames são avaliadas quais as necessidades de conduta específica, mais uma vez sob visão da coletividade.

Ainda segundo informações da secretaria de Saúde,  o encerramento de um caso suspeito pode ocorrer em até 60 dias conforme protocolo do Ministério de Saúde.

Diante disto, a nota informa ainda que com relação a paciente Carol Martins pelo que se percebe, superficialmente, pois não conhecem o caso da paciente, ela não foi diagnosticada com SRAG, que são os casos graves da doença, que requerem leito de UTI, portanto não teria sido necessária a notificação, mas sim tratamento adequado somente.

Com relação ao atendimento a pacientes que possam estar com H1N1 na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) 24h, a Secretaria Municipal de Saúde informa que classificação de risco também é uma rotina na unidade, na qual o enfermeiro avalia o grau de urgência de atendimento para qualquer tipo de queixa, independente de origem.

“Os profissionais são orientados para quando o paciente apresentar sintomas que podem ser da doença, a utilizar máscara e sobre as formas de prevenção para evitar a transmissão da doença a outras pessoas.”​

Campanha de Vacinação

Começa no sábado, dia 30,  a campanha de vacinação contra a gripe e para isto, todas as unidades de saúde da zona urbana e a unidade rural da Água Comprida ficarão abertas das 8h às 17h para aplicação da vacina.

A campanha vai até o dia 20 de maio e os postos funcionarão durante a semana das 7h30 às 17h para vacina.

Podem se vacinar GRATUITAMENTE nos postos, crianças de seis meses a menores de 5 anos, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), idosos (com 60 anos ou mais), doentes crônicos, profissionais de saúde da rede municipal e particular, indígenas e pessoas privadas de liberdade.

Para isto, os pais ou responsáveis devem apresentar a carteira de vacinação da criança. Idosos devem apresentar também o RG, além da carteira de vacinação, enquanto que os doentes crônicos devem apresentar uma carta médica com justificativa; gestantes e puérperas por sua vez, devem apresentar o cartão de vacinação e o cartão de pré-natal enquanto que os profissionais de saúde precisam levar a carteira de trabalho ou do conselho, que comprove ser trabalhador da área da saúde.

Além de tomar a vacina para evitar a doença é importante lavar as mãos com freqüência, cobrir nariz e boca ao espirrar e tossir, evitar aglomerações e ambientes fechados, manter ambientes ventilados e evitar tocar mucosas de olho, nariz e boca.​